Você está em: Home » Programação

Exposições Pinacoteca

Francis Alÿs

Francis Alÿs

de 04.abr a 07.jul 2013

 
A Pinacoteca do Estado de São Paulo, instituição da Secretaria da Cultura, apresenta a exposição Fabíola de Francis Alÿs (Antuérpia, Bélgica, 1959). A mostra exibe cerca de 400 imagens de Santa Fabiola, encontradas por Alÿs em mercados populares, antiquários e coleções particulares em toda a Europa e Américas. Todas são baseadas em um retrato realizado pelo artista Frances Jean-Jacques Henner. A pintura original apresenta uma mulher jovem, vestindo um véu vermelho, retratada em perfil contra um fundo escuro monocromático. Na composição, estilo e iconografia, caracterizam-se pela simplicidade. O retrato de Santa Fabiola nunca foi considerado obra-prima Henner, mas no início do século era conhecido como uma das figuras mais populares do artista. Depois que foi exibida no Salão de Paris de 1885, esta imagem espalhou-se em todo o continente europeu e de tão venerada passou a ser copiada por amadores e profissionais. Tornando-se um ícone popular, um fenômeno de reprodutibilidade.

Francis Alÿs: Fabíola integra o programa de exposições temporárias da mostra Arte no Brasil: uma história na Pinacoteca de São Paulo. Segundo Valéria Piccoli, curadora chefe da Pinacoteca, o trabalho de Francis é baseado na ideia de colecionar, por isso a mostra é sempre apresentada em museus históricos. A exposição apresentada na Pinacoteca coloca em discussão questões estéticas e históricas geralmente associadas aos grandes mestres do passado, e problematizam tópicos como autoria, iconografia, originalidade e colecionismo, entre outras. Embora pareçam semelhantes num primeiro olhar, quando vistas de perto as obras se mostram muito diversas, valendo-se de várias técnicas como bordado, esmalte e até sementes e feijões. Há também um surpreendente número de técnicas apresentada em cada imagem. Afirma Lynne Cooke, curadora da mostra.



Sobre o artista

Francis Alÿs (Antuérpia, Bélgica, 1959) estudou engenharia no Institut d’Architecture de Tournai, Bélgica, e história da arquitetura no Istituto Universitario di Architettura di Venezia, Itália. Em 1986, mudou-se para a Cidade do México, onde mora e trabalha desde então. Em 1990, passou da arquitetura para as artes visuais. Desde o começo, passeios e percursos urbanos ocuparam um papel central em sua atividade, como em The Collector [O coletor] (1991-92), em que saiu pelas ruas do México puxando como cachorrinho um brinquedo feito de imãs, até ficar totalmente coberto por fragmentos de metal. Outros exemplos são Narcotourism [Narcoturismo] (1996), em que Alÿs andou sete dias pelas ruas de Copenhague, cada dia sob os efeitos de uma droga diferente, eParadox of Praxis 1 (Sometimes Doing Something Leads to Nothing) [Paradoxo da Práxis 1 (Às vezes fazer algo leva a nada)] (1997), onde ele empurrou um bloco de gelo até derreter completamente.
Em 2002, Alÿs organizou The Modern Procession [A procissão moderna] para o Museum of Modern Art (MoMA) em Nova York. Como numa procissão católica tradicional, 150 voluntários carregaram em palanquins uma seleção de obras-primas do MoMA de Manhattan até o Queens, acompanhados por cavalos e uma banda peruana. No mesmo ano, com Rafael Ortega e Cuauhtémoc Medina, ele produziuWhen Faith Moves Mountains [Quando a fé move montanhas], que se realizou na periferia de Lima, Peru. Para este projeto, quinhentos voluntários deslocaram em alguns centímetros uma duna de areia com 500 metros de comprimento.
Entre as exposições de Alÿs estão a 5ª Bienal de Havana, Cuba (1994); Walks/ Paseos, Museo de Arte Moderno, Cidade do México (1997); Obra pictórica, Museo Nacional Centro de Arte Reina Sofía (2003);A pie desde el estudio, Museo de Arte Contemporáneo de Barcelona (2005); The Green Line, Israel Museum, Jerusalém (2005); Seven Walks, em colaboração com Artangel, Londres (2005); Politics of Rehearsal, Hammer Museum, Los Angeles (2007); 49ª e 52ª Bienais de Veneza (2001 e 2007), Itália;Fabiola, Dia Art Foundation, Nova York, LACMA, Los Angeles, e National Portrait Gallery, Londres (2007-09); 8ª Bienal do Panamá, Panamá (2008); Bienal de Sydney, Austrália (2008); 7ª Bienal de Gwangju, Coreia do Sul (2008); A Story of Deception, Tate Modern, Londres, wiels, Bélgica, MoMA, Nova York (2010-11); Bienal de São Paulo (2010).