Você está em: Home » Programação

Exposições Pinacoteca

Seis séculos de pintura chinesa - Coleção do Musée Cernuschi, Paris

de 04.mai a 04.ago 2013

 

A Pinacoteca de São Paulo, instituição da Secretaria de Estado da Cultura, apresenta a exposição Seis séculos de pintura chinesa - Coleção do Musée Cernuschi, Paris, com 120 pinturas realizadas pelos principais artistas da China Imperial (1368-1911) e Republicana (1912-1949), bem como os pintores chineses que depois dos anos 1930 foram para o Ocidente e escolheram Paris como lugar de formação. Como parte da exposição, no dia 2 de maio às 19h o curador da mostra Eric Lefèbvre participa de uma palestra no auditório da Pinacoteca em que contará a história do muséeCernuschi e processo de formação da coleção. A mostra também será acompanhada de um catálogo digital com reprodução de obras, textos historiográficos sobre a coleção, cronologia e documentação bibliográfica.

O Musée Cernuschi é um dos mais importantes museus de arte asiática na França, cujo acervo foi constituído a partir de obras adquiridas pelo economista Henri Cernuschi (1821-1896), durante uma viagem ao Oriente em 1873. Esta é a primeira vez que a Coleção é apresentada no Brasil e constitui-se numa oportunidade única de conhecer a história da pintura na China, os estilos e as tradições que se articularam ao longo dos séculos, assim como seus desdobramentos no século XX.

A exposição, Seis séculos de pintura chinesa, está dividida cronologicamente em seis espaços. A sala Ming reúne trabalhos realizados durante a Dinastia Ming (1368-1644). Entre os destaques estão doze leques com desenhos e caligrafias realizadas por Wen Zhengming (1470-1559). Na sala Dinastia Qing, (1644-1911), teremos paisagens de Xu Zhang (1694-1749), Gao Qipei (1672-1734), entre outros. A escola Epigrafia reúne trabalhos de Qi Baishi (1863-1957), DING Yanyong (1902-1978). Viajando no Japão apresenta, entre outras, um conjunto de dez obras de Zhang Daqian (1899-1983), considerado o artista chinês mais importante do século XX e que se dedicou à prática da caligrafia e pintura tradicionais chinesas, deixando uma grande produção de obras em estilo moderno e extremamente pessoal, que levou críticos e historiadores a considerá-lo o “Picasso chinês”. Nascido na China continental, sua vida foi marcada por constantes viagens e deslocamentos até fixar-se em Taiwan, onde faleceu. Zhang Daqian também passou pelo Brasil e viveu em Mogi das Cruzes, São Paulo, entre 1953 e 1972. Nas últimas salas, Descobrindo o Oeste e Renascimento da Paisagem o público poderá conhecer trabalhos dos anos 1930, 1940 e 1950. Completa a mostra o vídeo, O Renascimento de duas pinturas Chinesas que narra a história e o processo de conservação da pintura chinesa.